domingo, 22 de maio de 2011

La Valse D'Amélie

Leia ouvindo esta canção, porque foi escrita da mesma forma.



4h26 - Domingo, 22 de maio de 2011

Estou chorando. Nunca uma música simples apenas tocada em um simples piano me fez borrar a tinta da caneta numa folha de caderno ou fazer minha letra tremer por conta dos soluços, mas eu nunca senti tanto desejo de estar ao lado de uma pessoa como hoje.

A única coisa que gostaria neste momento era que alguém entrasse por aquela porta agora e me dissesse que está tudo bem e me abraçasse. Estou no quarto e não quero que ninguém me ouça. Quem sabia decifrar o verdadeiro significado das descargas no banheiro está a 400km e de lá acho que não dá para ouvir o que um cômodo de 1,80m por 1,80m sente.

Saiba que eu tento suprir a saudade com outras atividades, mas nenhuma visita que eu dê ou receba é mais prazerosa que sua chegada em uma manhã aleatória. Neste momento, às 4h54, eu descobri o quanto é estranho poder entrar num quarto que agora é só meu sem ouvir a histeria do: "Tô trocando de roupa". E assistir Discovery Home & Health com estudante de Moda não é o mesmo que sua sabedoria baseada em tutoriais.

A hora que for, quando chegar em casa vamos fazer os nossos cupcakes e comê-los assistindo O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Nós duas.

Para uma garota que pensa. 5h03.

2 comentários:

Nanda Matos disse...

è difícil suprir a saudade de quem está longe.
Amelie é emocionante a qualquer hora do dia, de madrugada então...

texto docimente dominical.

=]

enD disse...

Saiba que eu te procuro todo dia em todos os lugares. Sempre acho que você vai aparecer batendo na porta do quarto pedindo pra entrar e eu estarei chorando ou me maquiando, gritando pra você não abrir até que eu fale 'JÁ'.

Amélie me faz pensar DEMAIS em você. Tanto que eu evito falar dela ou ouvir a trilha do filme dela. Prefiro não pensar pra não sentir.


Te amo muito, irbã.
Muito obrigada por receber essa visita.