quinta-feira, 6 de março de 2008

Mais Cinema!

Ontem foi o último dia do evento sobre "Os Melhores Filmes dos Últimos 90 Anos", do qual remetia bastante aos 90 anos de Lourdes Mesquita. E para fechar com chave de ouro, a programação finalizou com "Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembrança" (2000).


- Sinopse


E não tem como falar sobre cinema sem citar o GRANDIOSO Charlie Chaplin. Carlitos, como era vulgarmente conhecido, era um gênio. Sim! Ele mesmo atuava, dirigia, escrevia, produzia e financiava seus próprios filmes. Além de ter sido um ótimo jogador de xadrez (ah, se eu tivesse nascido em 1889!)



Meu pai é um grande adorador de Chaplin, tem quadros, livros, bonequinho e muitos, MUITOS filmes. Lembro de quando eu era mais nova e ficávamos assistindo aos filmes à noite. E assistíamos, assistíamos, assistíamos...


Hoje em dia, suas obras são bastante citadas quando o assunto é contestação. Afinal de contas, quem mais poderia ser tão sutil em satirizar a Segunda Guerra como Charlie Chaplin, em "O Grande Ditador" a ponto de fazer com que o próprio Hitler, adorador de cinema, assistisse ao filme duas vezes?


Neste filme, Carlitos atuava em dois papéis: o de um barbeiro judeu e Adenoid Hynkel, que fazia uma alusão ao Adolf Hitler.

Um outro filme que a maioria das pessoas devem conhecer ou, pelo menes, já ouvir falar é "Tempos Modernos" (1936) do qual ele faz críticas à sociedade moderna sobre os pobres operários. Nesta época as máquinas estavam tomando o lugar dos homens e todas aquelas facilidades desacostumava toda aquela população. Está aí o por que de seus filmes serem pauta de debates até hoje...

Bom, o papo tá bom, mas eu preciso ir. Mas antes, assistam um trecho de "O Grande Ditador" (1941)


2 comentários:

Luiz Carioca disse...

cinema realmente é tudo de bom. fundamental pro desenvolvimento do homem. Carlitos era um gênio. outro da época dele é o Buster Keaton, se não conhece, procura na net, é ótimo. Chamavam ele de "o personagem que nunca ri", mas fazia comédias do cinema mudo.

Fabio disse...

me fez lembrar velhas aulas, onde o professor sempre usava filmes do Chaplin nas materias. Dificilmente o tempo vai conseguir apagar a historia que Carlitos deixou no mundo.